top of page

CLUBE TATUÍ DE LEITURA

Clube de leitura da Sala Tatuí, que discute mensalmente obras literárias independentes. A cada encontro, o editor da obra é convidado para trazer detalhes e bastidores da produção do livro.

O Clube Tatuí de Leitura é um encontro mensal de discussão e reflexão a respeito de uma obra literária. A cada mês, um novo título é escolhido, sempre do universo da edição independente. Quem conduz a conversa é a curadora do clube, Maria Paula Coelho, médica por profissão, restauradora de livros por hobby e bibliófila por paixão.

Uma característica dos encontros do Clube Tatuí de Leitura é a de contar com a participação de alguém que conhece profundamente a obra debatida: o editor. Assim, é uma possibilidade de conhecer os bastidores do trabalho editorial tomando como ponto de partida um livro específico. Os editores trazem detalhes, histórias e curiosidades do processo de edição desses livros. Veja abaixo as obras já discutidas e os editores que participaram do encontro.

Do Clube Tatuí de Leitura nasceu um desdobramento: o Terapia Literária, encontro semanal de discussão de narrativas curtas.

PRÓXIMO ENCONTRO
capas-livros-ctl_livro-do-mes.png

O livro para o mês de   março é A casa dentro de mim, de Hilda Lucas, publicado pela Laranja Original. O livro está com 10% de desconto na Banca Tatuí.

SOBRE O LIVRO

Uma jornada íntima entre o mergulho profundo em si mesmo e a emergência para a superfície do presente.

A casa dentro de mim tece uma trama envolvente, refletindo a complexidade do tempo e da memória. As imagens ressuscitadas por Hilda Lucas transcendem essas dimensões, tocando o leitor em suas próprias lembranças. Além de um livro é a nossa própria casa, um convite para explorar os recantos de nossa existência

ENCONTROS ANTERIORES

capas-livros-ctl_livro-janeiro.png

DOIS POR ENGANO,
de Ian Uviedo

Alberto e Melissa se conhecem, se apaixonam, vivem o que o amor pode durar, se separam e se esquecem – em uma trama que manuseia o passado e alguns dos traumas da América Latina para delimitar os pontos de intersecção. Publicado pela Diadorim Editora.

site-ctl_livro-janeiro.png

BRAVA SERENA,
de Eduardo Krause

Ranzinza e aposentado, Roberto Bevilacqua decide deixar o Brasil e se mudar para a Itália para viver seus últimos anos em Roma. Ele só não conta com um milagre televisivo e uma amizade que vai redefinir seu modo de encarar a vida, o tempo e o amor. Publicado pela Dublinense.

site-ctl_livro-dezembro.png

Nadine é uma história de detetive narrada em versos. Por meio de um conjunto de vozes poéticas, em diálogo com a tradição das histórias policiais, a autora compõe uma narrativa feminista que flerta com o romance noir. Ela foi publicada publicado pela editora Quelônio.

2024

Brava Serena, de Eduardo Krause. Dublinense, com Gustavo Faraon. (JAN)

Dois por engano, de Ian Uviedo. Diadorim Editora, com João Nunes Junior. (FEV)

2023

Confissão, de Cláudia Lucas Chéu. Reformatório, com Marcelo Nocelli. (JAN)

diários de viagem [isabelle alias mahamoud], de Isabelle Eberhardt. Cultura e Barbárie, com Manoel Ricardo de Lima. (FEV)

Eu, Ota, rio de Hiroshima, de Jean-Paul Alègre. Temporal, com Philippe Freitas. (MAR)

Cenário de guerra, de Andrea Jeftanovic. Editora Mundaréu, com Silvia Naschenveng. (ABR)

A tirania das moscas, de Elaine Vilar Madruga. Editora Instante, com Silvio Testa. (MAI)

O diabo, de Marina Tsvetáieva. Editora Kalinka, com Daniela Mountian. (JUN)

Farejador de águas, de Maria José Silveira. Editora Instante, com Silvio Testa. (JUL)
Moderato Cantabile, de Marguerite Duras. Relicário Edições, com Maíra Nassif. (AGO)

História para matar a mulher boa, de Ana Johann. Editora Nós. (SET)

Nós, filhos de Eichmann, de Günther Anders. Editora Elefante, com Tadeu Breda. (OUT)

Por acaso memória, de Carlos Machado. Arte & Letra, com Tiago Tizzot. (NOV)

Nadine, de Luiza Romão. Editora Quelônio, com Bruno Zeni. (DEZ)

2022

A casa do Pai, de Karmele Jaio. Instante, com Silvio Testa. (JAN)

As aventuras de China Iron, de Gabriela Cabezón Cámara. Moinhos, com Nathan Matos. (FEV)

O verão em que mamãe teve olhos verdes, de Tatiana Ţîbuleac. Mundaréu, com Silvia Naschenveng. (MAR)

Onofre, de Régis Mikail. Deep, com Antonio Sobral. (ABR)

Gameleira-branca, de Sofia Aroeira. Jandaíra, com Lizandra Magon. (MAI) 

Margarida La Rocque: A ilha dos demônios, de Dynah Silveria de Queiroz. Instante, com Silvio Testa. (JUN) 

Kramp, de María José Ferrada. Moinhos, com Nathan Matos. (JUL)

Eisejuaz, de Sara Gallardo. Relicário, com Maíra Nassif. (AGO) 

A Mulher de Pés Descalços, de Scholastique Mukasonga. Editora Nós, com Simone Paulino. (SET) 

Leyen,de Caio Zerbini. Editora Quelônio (OUT)

Aprender a falar com as plantas, de Marta Orriols. Dublinense, com Samla Borges. (NOV)

Todas as bicicletas que eu tive, de Powerpaola. Lote 42, com Cecilia Arbolave e João Varella. (DEZ) 

2021

A Mão do Pintor, de María Luque. Lote 42, com Cecilia Arbolave e João Varella. (JAN)

O Ausente, de Edimilson de Almeida Pereira. Relicário Edições, com Maíra Nassif. (FEV)

O dia em que morri em um desastre aéreo, de João Saraiva. Editora Nós, com Simone Paulino. (MAR)

Fiados na esquina do céu com o inferno, de Eury Donavio. Independente. (ABR)

Sistema do Tato, de Alejandra Costamagna. Editora Moinhos, com Nathan Matos. (MAI) 

A Boneca de Kokoschka, de Afonso Cruz. Editora Dublinense, com Gustavo Faraon. (JUN) 

Janelas irreais: um diário de releituras, de Felipe Charbel. Relicário Edições, com Maíra Nassif. (JUL)

Andaimes, de Mario Benedetti. Editora Mundaréu, com Silvia Naschenveng. (AGO) 

Uma vida vida, de Flávia Farhat. Arte e Letra, com Thiago Tizzot. (SET) 

terra dentro,de Vanessa Vascouto. Editora Reformatório, com Marcelo Nocelli. (OUT)

O alegre canto da perdiz, de Paulina Chiziane. Editora Dublinense, com Gustavo Faraon. (NOV) 

2020

A Honra Perdida de Katharina Blum, de Heinrich Böll. Editora Carambaia, com Fabiano Curi e Graziella Beting. (FEV)

Morra, amor, de Ariana Harwicz. Editora Instante, com Silvio Testa e Carla Fortino. (MAR)

Oito do Sete, de Cristina Judar. Editora Reformatório, com Marcelo Nocelli. (ABR)

Quando o sangue sobe à cabeça, de Anna Muylaert. Lote 42, Cecilia Arbolave e João Varella. (MAI)

Mulher assimétrica, de Maria Luiza Corrêa. Editora Quelônio, com Bruno Zeni. (JUN)

Nenhum Olhar, de José Luís Peixoto. Editora Dublinense, com Gustavo Faraon. (JUL)

Tornar-se Palestina, de Lina Meruane. Relicário Edições, com Maíra Nassif e Mariana Sanchez. (AGO)

Damas da Lua, de Jokha Alharthi. Editora Moinhos, com Nathan Matos. (SET)

A Pedra, de Yuri Pires. Lote 42, com João Varella e Cecilia Arbolave. (OUT)

Gigante Figura, de Fabrício Siveira. Riacho, com Daniel Eizirik. (NOV)

Demerara, de Wagner G. Barreira. Editora Instante,  com Silvio Testa e Fabiana Yoshikawa. (DEZ)

A CURADORA

MARIA PAULA COELHO é médica por profissão, restauradora de livros por hobby e bibliófila por paixão. Cirurgiã pediátrica, trabalhou com transplantes de fígado durante a maior parte de sua carreira e, após um período trabalhando na Inglaterra, retornou ao Brasil, focando suas atividades médicas em crianças com Insuficiência Intestinal, coordenando atualmente o Programa de Reabilitação Intestinal do Hospital Infantil Sabará, em São Paulo. Está à frente do Clube Tatuí de Leitura e do Terapia Literária desde 2020, traz leituras variadas, provocações e boas descobertas.

maria-paula-2.jpg

RESSACA TATUÍ

O Ressaca Tatuí é um debate virtual com alguns participantes do Clube Tatuí de Leitura para levantar os principais pontos discutidos pelo grupo sobre a obra escolhida. O encontro é gravado e fica disponível no YouTube da Sala Tatuí.